Google+ Followers

terça-feira, 23 de maio de 2017

Trump ora no Muro das Lamentações em visita à Israel: “Temos um vínculo inquebrável”

Trump é o primeiro presidente americano a visitar o Muro das Lamentações. Israel foi o destino escolhido em sua primeira viagem oficial.

Donald Trump visita o Muro das Lamentações, na Cidade Velha de Jerusalém. (Foto: AFP/Mandel Ngan)
Donald Trump visita o Muro das Lamentações, na Cidade Velha de Jerusalém. (Foto: AFP/Mandel Ngan)
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, iniciou na manhã desta segunda-feira (22) uma visita a Israel, em sua primeira viagem internacional desde que assumiu o cargo.
O chefe de estado americano foi recebido no Aeroporto Internacional Ben Gurion, em Tel Aviv, pelo presidente Reuven Rivlin e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Na ocasião, Trump convidou israelenses e palestinos a trabalharem juntos pela paz no Oriente Médio.

"Temos diante de nós uma rara oportunidade para trazer segurança e estabilidade e paz a esta região e seu povo, derrotar o terrorismo e criar um futuro de harmonia, prosperidade e paz, mas só podemos chegar lá a trabalhar em conjunto. Não há outra maneira, " ele disse.
"Temos diante de nós uma rara oportunidade de trazer segurança, estabilidade e paz a esta região, para derrotar o terrorismo e criar um futuro de harmonia. Mas só poderemos chegar lá trabalhando juntos. Não há outro caminho”, declarou Trump, segundo a France Presse.

O presidente americano aproveitou para reforçar o vínculo entre Israel e seu país. “Em minha primeira viagem ao exterior como presidente, eu vim a esta terra sagrada para reafirmar o vínculo inquebrável entre os Estados Unidos e o Estado de Israel”, disse ele.

“Nesta terra tão rica historicamente, Israel construiu uma das maiores civilizações do mundo. Uma nação forte, resistente, determinada e próspera. É também uma nação firmada no compromisso de nunca permitir que os horrores do século passado sejam repetidos”, acrescentou, ressaltando que os EUA ama e respeita Israel.


Donald Trump e a primeira-dama Melania são recebidos por Benjamin Netanyahu [à direita], sua esposa Sara e o presidente Reuven Rivlin [à esquerda]. (Foto: Reuters/Amir Cohen)
Netanyahu reafirmou o compromisso de Israel para estabelecer a paz na região e considerou a visita do presidente americano um marco histórico. “Nunca antes a primeira viagem internacional do presidente dos EUA incluiu uma visita a Israel”, disse ele. “Acredito que sob a liderança de Trump, a aliança entre Israel e os EUA vai se tornar cada vez mais forte”.

Dois dias antes de pousar em Israel, Trump fez uma visita à Arábia Saudita, onde foi recebido pelo rei Salman bin Abdulaziz no Palácio Al Yamama, em Riad. Na ocasião, os líderes discutiram sua relação bilateral e a luta contra o terrorismo.

“Chegamos a um acordo histórico para uma cooperação cada vez maior contra o terrorismo”, anunciou Trump em Israel.

Locais sagrados

Mais tarde, Trump e sua equipe foram até a Cidade Antiga de Jerusalém para visitar locais sagrados da cidade, começando pelo Santo Sepulcro, onde Jesus foi crucificado, sepultado e ressuscitado ao terceiro dia.

No local, o presidente americano foi recebido pelos patriarcas armênios e gregos ortodoxos de Jerusalém.


Trump e sua família em visita à Igreja do Santo Sepulcro, na Cidade Velha de Jerusalém. (Foto: The Washington Post)
Em seguida, Trump se dirigiu para o Muro das Lamentações e se tornou o primeiro presidente dos EUA a visitar o local mais sagrado do judaísmo. Ele fez uma oração e colocou um pedido nas fendas do Muro durante a ocasião. Sua filha, Ivanka e a primeira-dama, Melania oraram separadamente, na seção das mulheres.

A visita de Trump no local sagrado ocorre após uma controvérsia gerada pelo diplomata dos EUA, que se referiu ao Muro Ocidental como parte da Cisjordânia.

Mudança da embaixada americana

Uma das promessas da campanha presidencial de Trump foi mudar a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém, um movimento que reforça o reconhecimento da cidade como capital de Israel.

Embora um alto funcionário do governo tenha anunciado que Trump continua comprometido com sua promessa, ele não irá abordar esse assunto na viagem.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE TIMES OF ISRAEL

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Cláudio Duarte chora ao falar sobre preconceito contra gays

"Você foi o único convidado que me respeitou aqui", disse a transexual Thammy Miranda.

por Jarbas Aragão

Resultado de imagem para facial expression
Cláudio Duarte chora ao falar sobre preconceito contra gays

O Programa Raul Gil voltou a levar um convidado evangélico neste sábado (20). Durante o quadro “Elas Querem Saber”, o pastor Claudio Duarte conversou com Val Marchiori, Thammy Miranda, Ciça Camargo e Lola Melnick.

Conhecido por usar o humor e a sinceridade para falar sobre questões espirituais, Cláudio foi questionado sobre vários assuntos pelas participantes do quadro. Falou, por exemplo, como seria o “casamento perfeito” e também deu dicas como ter sucesso nos relacionamentos.

Casado há 25 anos, confessou que não se casou virgem e que só se aprende a amar convivendo com a pessoa. Falou também sobre algumas das dificuldades de sua vida, especialmente na infância. Lembrou que grande parte disso é pelo fato de seu pai ter casado oito vezes e ele ter convivido em muitas casas.

Entre as questões abordadas por ele foi o excesso de críticas que recebe por suas posturas, como o uso do humor, o que não é bem visto por muitas igrejas. Reclamou também da “religiosidade tóxica” e do estereótipo comum dos “evangélicos” apresentados pela mídia.

Disse que não recebe salário em sua igreja e que vive de suas palestras.

O momento que teve maior emoção foi o questionamento sobre aceitação das chamadas “minorias”. O pastor demonstrar ser contra o preconceito com a comunidade LGBT e se emocionou ao abordar o tema. Ele deixou claro que não é homofóbico, mas continua contrário ao relacionamento homoafetivo.

Relatou ainda que tem um meio irmão que é gay e eles continuam amigos. “Essa coisa absurda da extremidade que tornou o mundo do jeito que está”, lamentou. Deixou claro que condena toda forma de preconceito, mas isso não significa que ele irá negociar seus valores.

Claudio Duarte e Tammy Miranda
Claudio Duarte e Tammy Miranda. (Foto: Reprodução / SBT)

Thammy, filha transexual de Gretchen, disse durante a entrevista: “Você foi o único convidado que me respeitou aqui, nem os artistas que se dizem moderninhos me trataram assim”. Ela levantou para abraçá-lo e a imagem chamou atenção de grande parte da mídia.

Assista:


Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br

domingo, 21 de maio de 2017

"A murmuração abre portas para o inimigo causar problemas", diz Joyce Meyer

A conferencista Joyce Meyer destacou que a murmuração pode se tornar uma verdadeira prisão e prejudicar o relacionamento com Deus.

Joyce Meyer. (Foto: PennLive)
Joyce Meyer. (Foto: PennLive)
"Quando vemos alguém murmurando podemos até pensar: 'Por que você está encarando isso como uma grande coisa?'. Mas quando temos que lidar com o nosso próprio incômodo, a história é diferente. É aí que questionamos: "Por que algo tão ruim está acontecendo comigo?!". A afirmação foi feita recentemente pela conferencista e autora cristã, Joyce Meyer em uma de suas reflexões recentes, publicadas em seu site oficial.

Segundo ela, apesar de parecer que muitas vezes o nosso dia tem centenas de motivos para que reclamemos dele, a murmuração não ajudará a resolver os problemas e só abrirá caminho para que o inimigo trabalhe o ódio em nosso coração.

A autora destacou que a murmuração pode até mesmo prejudicar o relacionamento do ser humano com Deus, com outras pessoas e até com ele mesmo.

"É fácil se queixar. Nós provavelmente não percebemos quantas vezes nós fazemos isso durante o dia. Eu acredito que é uma das coisas mais desafiadoras para superar", reconheceu.

"A murmuração é um negócio perigoso. Pode danificar ou mesmo destruir seu relacionamento com Deus, seus relacionamentos com outras pessoas e até mesmo com seu relacionamento com você mesmo", destacou ela.

Porém a escritora destacou uma passagem bíblica que não poderia ser mais clara e direta com relação a este assunto.

"Filipenses 2:14 diz: 'Façam tudo sem queixas nem discussões'. É um comando bem claro, mas não é algo que qualquer um pode fazer por si mesmo", afirmou.

"Lembre-se que cada palavra que você fala tem algum tipo de efeito. Provérbios 18:21 diz que nossas palavras carregam o poder da vida ou da morte com elas - o modo como falamos realmente importa. Por isso, faz sentido que consigamos evitar as reclamações", disse.

Joyce Meyer apontou a murmuração como a abordagem que o diabo mais gosta e esse é um dos perigos desta atitude, que muitas vezes o 'murmurador' não consegue perceber.

"Penso na murmuração como a linguagem do inimigo. Quando o fazemos, abrimos a porta para ele entrar em uma situação e causar problemas. Por outro lado, louvor e ação de graças são a linguagem de Deus", lembrou.

"Como eu disse antes, é fácil se queixar. Há muitas coisas que acontecem todos os dias que poderíamos murmurar. Mas elas realmente não valem o desgaste que sofremos quando ficamos chateados por causa delas", acrescentou.


Ingratidão X Liberdade

Caminhando para uma abordagem mais direta sobre o assunto, Meyer lembrou que a murmuração é um claro sinal de ingratidão a Deus e traz uma ideia distorcida sobre a vida.

"A murmuração vem de uma atitude ingrata, orgulho exarcebado do coração. Isso nos faz sentir que que coisas ruins não deviam acontecer conosco", explicou.

Porém Meyer destacou com um testemunho pessoal que o melhor, em vez de se limitar a permanecer reclamando das situações difíceis, o melhor é buscar o crescimento espiritual que pode surgir daquela ocasião.

"Aprendi que há uma abordagem melhor para estas situações: Procure o tesouro de cada tentativa", lembrou. "A verdade é que alcancei a maior parte do meu crescimento espiritual nos momentos mais difíceis e dolorosos da minha vida. As provações da vida me fizeram clamar a Deus. E à medida que fiz isso, Ele me transformou. Ele me ajudou a desenvolver uma atitude de gratidão e humildade, que trouxe uma verdadeira liberdade para minha vida".

"O que é liberdade real? A verdadeira liberdade é ser capaz de não conhecer completamente o meu caminho e ainda ser tão feliz como se eu conhecesse", acrescentou.
Meyer lembrou que seu discurso não consiste em afirmar que optar pela gratidão em vez da murmuração é algo fácil, porém vale a pena o esforço.

"É um processo difícil chegar ao ponto de ter a liberdade real. Mas vale a pena! Só precisamos aceitar que desenvolver a maturidade espiritual vai doer. Crescer em Deus não é confortável. Há momentos de sacrifício envolvidos neste processo. E haverá momentos em que Deus pedirá que você faça algumas coisas e você vai sentir que você não aguenta - mas Ele lhe dará a graça para fazê-las", afirmou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO MINISTÉRIO JOYCE MEYER

sábado, 20 de maio de 2017

Jovem clama a Deus em grave acidente e sobrevive: “Ele é a razão por eu estar aqui”

A jovem estava indo para um estudo bíblico quando aconteceu o acidente. Seu carro foi partido ao meio, mas ela não sofreu ferimentos graves.

O carro de Apol Lansang foi partido ao meio, mas ela não sofreu ferimentos graves. (Foto: Reprodução/Tom Bond)
O carro de Apol Lansang foi partido ao meio, mas ela não sofreu ferimentos graves. (Foto: Reprodução/Tom Bond)
Depois de sobreviver a um grave acidente de carro enquanto estava a caminho de um estudo bíblico, uma jovem enfermeira passou a expressar gratidão ao livramento de Deus.
Apol Lansang, de 25 anos, estava dirigindo em uma rodovia da Califórnia, nos Estados Unidos, quando notou um carro desgovernado na contramão.

Sem tempo para reagir, Lansang acabou virando seu carro para a pista contrária e fechou os olhos quando viu que iria colidir com um veículo que se aproximava.

“Eu esperava que, quando eu abrisse os olhos, tudo aquilo seria apenas um sonho”, disse ela ao site The Press Democrat. “Naquele momento, tudo que eu pensava era: ‘Deus, por favor me salve. Eu não sei o que vai acontecer. Espero que quando eu acordar deste pesadelo, eu esteja salva’”.

Por fim, Lansang escapou ilesa — o que foi considerado um milagre, devido a gravidade do acidente. Segundo a imprensa local, seu carro foi partido ao meio por causa da intensidade da colisão. Assista:
“Que bagunça! Isso deve ter sido uma batida de frente a quase 130 km/h”, um homem afirma no local do acidente, segundo as imagens registradas por uma câmera. “Eu nunca vi um carro partido ao meio desse jeito”.

Lansang sabe que os destroços do acidente são provas de que ela deveria ter morrido, mas foi milagrosamente guardada por Deus.

O motorista que provocou o acidente, Kevin Fenty, foi lançado para fora de seu carro, mas não sofreu ferimentos graves. Mais tarde, ele foi detido pela polícia com a suspeita de dirigir sob efeito de drogas.

Segundo policial Kylar Adams, o cinto de segurança salvou a vida de Lansang. “É impressionante ela ter sobrevivido a esse acidente”.

A jovem, no entanto, acredita que Deus é o grande responsável por sua sobrevivência. “Minha comunhão com Deus é com uma fuga desse mundo, eu acho que essa é uma das razões por eu estar aqui”, disse ela. “Eu sempre me dediquei a Deus de todas as formas que eu podia”.
Lansang diz que Deus é responsável por sua sobrevivência. (Foto: Christopher Chung/The Press Democrat)
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE FAITHWIRE

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Muçulmano que fugia do Estado Islâmico é resgatado por cristãos e se entrega a Jesus

Mahmoud foi ensinado desde criança que os cristãos matavam muçulmanos. Quando descobriu que isso era mentira, ele se converteu ao Evangelho.

Mahmoud foi salvo por cristãos durante sua fuga do Estado Islâmico. (Foto: Reuters).
Mahmoud foi salvo por cristãos durante sua fuga do Estado Islâmico. (Foto: Reuters).
Mahmoud pensava que todos os cristãos eram mentirosos e que queriam matar os muçulmanos. Foi essa educação que ele recebeu desde criança pelos seus anciãos. O homem iraquiano acabou crescendo cauteloso e desconfiado. Ele pensava dessa forma, até o dia em que se viu resgatado justamente por cristãos, quando o barco que ele e outros refugiados estavam afundou na costa da Grécia. As informações são do Christian Aid Mission.

Mahmoud foi forçado a fugir do Iraque depois que o Estado Islâmico (EI) ocupou suas terras e o torturou quando ele se recusou a apoiar o grupo terrorista. Depois de escapar, ele se juntou a outros iraquianos que procuravam iniciar uma nova vida em terras estrangeiras.

Mas seu otimismo se transformou em um pesadelo quando o barco em que ele e os outros refugiados estavam, afundou. O medo não parou de aumentar, mesmo quando ele viu os socorristas gregos vindo para salvá-los. De fato, Mahmoud mais tarde confessou que estava cheio de pavor, acreditando que os trabalhadores cristãos que se aproximavam iriam matar ele e os outros muçulmanos que estavam sendo resgatados.

"Eu os vi chegar, e eu estava chorando, tremendo por causa do meu medo", disse recentemente ao diretor de um ministério cristão liderado na Grécia. "Eu sabia que eles iriam me matar porque eu sou muçulmano, como foi o que me ensinaram".

Conversão

Os cristãos gregos puxaram ele e os outros passageiros da água. O grupo foi levado para a costa e receberam roupa seca e comida. O diretor do ministério cristão se encontrou com Mahmoud e falou sobre Jesus. Quando ele veio a conhecer Jesus, Mahmoud foi instantaneamente cativado, e logo se viu querendo aprender mais sobre Deus.

Foi aí que ele percebeu que seus anciãos muçulmanos haviam mentido sobre os cristãos e sobre Deus. Depois que o diretor do ministério lhe falou mais sobre Jesus, ele perguntou a Mahmoud se queria aceitar a Cristo como seu Senhor e Salvador.

Mahmoud ficou imóvel por alguns minutos, orando. Ele então disse aos membros do ministério: "Nunca senti essa paz em minha vida". Ele então se converteu a Jesus completamente. Mahmoud é apenas uma das centenas de milhares de refugiados que chegaram à Grécia por causa de conflitos no Oriente Médio.

A mensagem da salvação

O ministério cristão local na Grécia, cujos membros falam árabe, estão ministrando a essas pessoas e, ao mesmo tempo, fornecendo comida e outros itens essenciais, como cobertores, sacos de dormir, tendas, fraldas e itens de higiene. A diretora do ministério feminino disse ao Christian Aid Mission que depois do que passaram em sua terra natal, os refugiados estão ansiosos para ouvir a mensagem da salvação de Cristo.

"Nós temos aqueles que literalmente estão fugindo do Islã e Estado Islâmico, e eles dizem que não querem mais essa religião", disse ela. Os imigrantes também estão cheios de gratidão aos trabalhadores cristãos na Grécia por recebê-los, dar-lhes comida e protegê-los, tornando-os mais receptivos à mensagem do Evangelho.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Brasileiros celebram criação do Estado de Israel na embaixada do país

O 69º aniversário da independência do Estado de Israel foi celebrado na embaixada israelense, em Brasília. O Portal Guiame foi convidado para fazer parte do encontro.

Embaixador israelense Yossi Shelley no 69º aniversário do Estado de Israel. (Foto: Guiame/Marcos Correa)
Embaixador israelense Yossi Shelley no 69º aniversário do Estado de Israel. (Foto: Guiame/Marcos Correa)
O 69º aniversário da independência do Estado de Israel foi celebrado na noite desta quarta-feira (17) na embaixada israelense, em Brasília.

Convidados pelo embaixador Yossi Shelley, o Portal Guiame fez parte do encontro ao lado de representantes políticos, como o pastor e deputado federal Roberto de Lucena e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes.

Em discurso, Shelley ressaltou que Israel e Brasil compartilham os mesmos valores democráticos. “A democracia para nós é como uma tocha que foi acesa quando o Estado de Israel surgiu há 69 anos. Hoje, todo líder israelense garante que essa tocha não se apagará jamais”, disse ele.

Shelley ainda lembrou que o Brasil foi um dos primeiros países a estabelecer relações diplomáticas com o novo Estado de Israel. “Relação que nos orgulhamos por ser forte hoje”, reforçou.

Embaixador de Israel, Yossi Shelley e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. (Foto: Guiame/Marcos Corrêa)
Um brasileiro foi dos grandes responsáveis pela aprovação da partilha que culminou na criação do Estado de Israel. O diplomata Oswaldo Aranha presidiu a sessão histórica da Assembleia Geral da ONU, em novembro de 1947, que fez uma votação para a partição da Palestina.

Sem os esforços do diplomata brasileiro nos dias que antecederam o voto, talvez os judeus não tivessem conseguido o reconhecimento do Estado judaico na comunidade internacional, de acordo com o jornal Estadão.

Embora houvesse uma cobrança dos países árabes para adiar a votação e anular a divisão do território em duas nações, Aranha não cedeu à pressão e continuou com a crença na solução de dois Estados. O embaixador do Brasil entrou para a história e hoje dá nome a um kibutz (fazenda comunitária israelense) e a uma praça em Israel.

Apesar do importante papel do Brasil na votação da partilha, o governo Getúlio Vargas não reconheceu imediatamente o Estado de Israel quando foi proclamada a independência, em maio de 1948.

O reconhecimento aconteceu apenas em fevereiro de 1949, mesmo sob as intensas críticas do Egito. Na época, o Ministério das Relações Exteriores anunciou que “não seria correto não reconhecer Israel”.

Deputado federal Roberto de Lucena (à esquerda) e Yossi Shelley (à direita). (Foto: Guiame/Marcos Corrêa)
Hoje, o embaixador israelense afirma que Brasil e Israel “são aliados na área política”. Shelley relembrou as viagens oficiais promovidas em fevereiro por uma comitiva de senadores e deputados federais, para conhecer os programas do governo israelense, e em março, pelo ministro da Saúde Ricardo Barros, que esteve em Israel para discutir possíveis cooperações.

Além disso, o embaixador israelense ressaltou a importância do Estado de Israel para  o judaísmo, cristianismo e islamismo. “Desde sua criação, Israel é protetor da Terra Santa e guardião das três religiões monoteístas. Por essa razão, aquele lugar sagrado deve estar sempre aberto para que os religiosos possam adorar seu Deus”.

Confira o discurso de Yossi Shelley na íntegra:


FONTE: GUIAME

Estudo aponta região do cérebro ligada a religiosidade

Córtex pré-frontal estaria conectado com a espiritualidade

por Cristiano Medeiros

Estudo aponta região do cérebro ligada a religiosidade

Durante muitos anos cientistas cogitaram a existência de um “ponto de Deus” no cérebro, uma área em específico, que fosse responsável pelas crenças religiosas.

Conforme um novo estudo realizado pela Northwestern University, em Illinois, nos Estados Unidos, pessoas que sofreram lesões no córtex pré-frontal do cérebro podem torná-las menos críticas ao comparar suas crenças religiosas com a fé de outras pessoas, ou seja, mais tolerantes.

A região do cérebro estudada está associada a diversas funções, como a capacidade de planejamento e de percepção. Anteriormente, essa estrutura cerebral já foi relacionada a experiências religiosas.

O estudo analisou 119 pessoas que sofreram alguma lesão cerebral durante a guerra do Vietnam e outros 30 veteranos normais. Foi solicitado que os participantes respondessem a afirmações como “Para levar uma vida melhor e mais significativa, uma pessoa deve seguir a única religião verdadeira”.

Os pesquisadores descobriram que os veteranos lesionados no córtex pré-frontal tinham níveis mais altos de conservadorismo religioso do que os outros. “Crenças humanas, e nesse caso crenças religiosas, são um dos conhecimentos sociais e cognitivos que nos diferenciam das outras espécies”, apontou o coautor da pesquisa, Jordan Grafman, ao PsyPost.

A pesquisa liga diretamente a região estudada com a religiosidade, pois foi possível perceber suas interações no cérebro. “Precisamos entender quão distintas as crenças religiosas são das crenças morais, legais, políticas e econômicas em suas representações no cérebro”, destacou Grafman.

Grafman também acredita que por mais que a pesquisa evidencie que o córtex pré-frontal está conectado com a espiritualidade, existem outros fatores que determinam o quão religiosa uma pessoa é.

“Enquanto crenças religiosas ou não podem ser estudadas seletivamente e independentes de outros processos cognitivos e sociais, sua dependência e interação com outros processos do cérebro será uma importante área de pesquisa nas próximas décadas”, encerrou. Com informações do Último Segundo.


Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Economista afirma que Matemática e Ciência podem comprovar a existência de Deus

Robert H. Nelson defende que por meio das leis da matemática e estudos da condição humana é possível comprovar que existe um Deus criador.

Robert H. Nelson tem se interessado por teologia desde a década de 90. (Foto: Divulgação).
Robert H. Nelson tem se interessado por teologia desde a década de 90. (Foto: Divulgação).
Em um novo artigo, o economista e professor Robert H. Nelson usou leis da matemática, da ciência e da condição humana para provar que Deus existe. Enquanto as estatísticas mostram que a crença das pessoas no Criador de todas as coisas está em declínio, Nelson, que leciona política pública da Universidade de Maryland, acredita que a "probabilidade da existência de um deus sobrenatural" está em ascensão.

O especialista em comércio tem se interessado na interseção de coisas como "física, filosofia da consciência humana, biologia evolutiva, matemática, história da religião e teologia" desde a década de 1990. ele chegou a escrever o livro “Deus? Muito provavelmente: Cinco maneiras racionais de pensar sobre a questão de um Deus”, lançado em 2005.

Ao olhar para essas disciplinas, ele determinou que Deus provavelmente existe. Nelson divide o seu argumento a favor da existência de Deus em seis seções distintas, que vão desde "As Leis da Matemática" até "O Mistério da Consciência Humana".

Leis da matemática

Ao olhar para a matemática, ele cita o Prêmio Nobel de Eugene Winger, que uma vez levantou uma questão fundamental: Por que o mundo natural sempre - até onde sabemos - obedece às leis da matemática?

Eugene Winger especulou que "a enorme utilidade da matemática nas ciências naturais é algo que confina com algo misterioso e não há explicação racional para isso". Nelson concorda ao argumentar mais adiante em seu livro: "Podemos observar a existência de Deus ao tornar compreensíveis os fundamentos matemáticos do universo".

De forma parecida, Nelson considera o funcionamento da consciência humana um verdadeiro milagre. "Assim como as leis da matemática, a consciência não tem presença física no mundo. As imagens e os pensamentos em nossa consciência não têm dimensões mensuráveis​​", escreve ele.

"No entanto, nossos pensamentos não-físicos de alguma forma, misteriosamente, orientam as ações de nossos corpos físicos humanos. Isso não é mais cientificamente explicável do que a habilidade misteriosa de construções matemáticas não-físicas para determinar o funcionamento de um mundo físico separado", ressaltou.

Fato milagroso

No raciocínio de Nelson, também é milagroso o fato de se ter "ideias transformadoras do mundo" como as filosofias de Platão e Aristóteles e também o Antigo Testamento Hebraico aparecerem na mesma época na Índia, na China, Grécia e Oriente Médio, apesar do fato de que esses grupos de pessoas tinham "pouca interação uns com os outros".

"O fato de todas essas coisas surpreendentes aconteceram dentro do funcionamento consciente das mentes humanas, funcionando fora da realidade física, oferece mais evidência racional para a conclusão de que os seres humanos podem ser feitos à imagem de Deus", concluiu.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO FAITH WIRE